Aprendendo a preservar o meio ambiente no Jardim2A

No início do século XX, estudiosos, técnicos e autoridades de São Paulo já alertavam para a degradação do rio Tietê, seus relatórios traziam informações sobre a poluição crescente. Durante um período de seca em 1933, os relatórios dos técnicos da repartição de águas e esgotos, traziam a informação de que, desde a confluência com o rio Tamanduateí até pouco depois do encontro com o rio Pinheiros, as taxas de oxigênio na água eram baixíssimas. Isso ocorria até a cidade de Pirapora e já ocasionava a morte dos peixes.

Os fatores que contribuíram para isso foram:

-Retificação do rio
-Ocupação irregular das margens e das áreas de mananciais que alimentam o rio
-Lançamento de dejetos industriais em suas águas e afluentes
-Lançamentos de esgotos domésticos em suas águas e afluentes
-Despejos  de lixo diretamente no rio ou indiretamente pelas águas das chuvas.

A somatória desses fatores fez o rio Tietê no trecho metropolitano um rio morto, o que significa que suas águas não apresentam oxigênio suficiente para garantir a existência de um ecossistema.


Para trabalhar  a questão ambiental com as crianças do Jardim 2,  fizemos a leitura do livro: “ O grito do rio Tietê“. As crianças observaram as gravuras do livro e foram falando o que estavam vendo. Buscamos comparar o rio limpo(nascente) com o rio  poluído (quando o rio chega na cidade). As crianças desenharam os peixes na parte limpa do rio e a sujeira na parte poluída. Para ilustrar fizemos o rio de papel pardo e colamos os peixes e os lixos na parte poluído.


Aproveitamos o tema referente a água para debater e discutir a seca da Cantareira que atinge o estado de São Paulo. Este tema nos levou a criar vários cartazes para orientar os alunos das outras salas sobre a importância não somente da água, mas do meio ambiente em geral que hoje sofre com a degradação causada pelo ser humano.

Professora Andréia 











Nenhum comentário

Voltar para o Topo