MENOS SAL! SUA SAÚDE AGRADECE!

Com tanto sal em nossa alimentação, acabamos nos acostumando com o sabor mais marcado deste condimento nos alimentos que frequentemente consumimos. O problema, é que quanto mais nos adaptamos com o excesso, mais prejudicial torna-se o consumo desta substancia!

O Cloreto de sódio (NaCl), mais conhecido como “Sal de cozinha”, tem grande importância em funções de nosso organismo como: o equilíbrio osmótico, ou seja, a regulação dos líquidos corporais, transmissão de impulsos nervosos, auxilio no transporte de oxigênio e nutrientes etc.
    
Só para esclarecer, o sal não é a mesma coisa que sódio! O sódio é uma substancia presente no cloreto de sódio, que por sua vez é uma mistura de átomos de sódio e átomos de cloro.
    
O problema é que esta substancia que já foi tão disputada por nossos antepassados, e que era utilizada para a conservação de carnes e peixes em tempos onde geladeiras não tinham a menor pretensão de existir, é utilizada na atualidade de forma desregrada por nós, colocando em risco nossa saúde.
    
A Organização Mundial da Saúde, recomenda que o consumo de de sal seja de 5 a 6g por dia, ou de 2000 a 2400 mg de sódio, porém pesquisas demonstram que nós brasileiros, chegamos a consumir até 12g de sal por dia!
    

Com o excesso de sódio no organismo, acontece um desequilíbrio osmótico em nosso corpo...Então, começamos a reter mais líquido, afim de estabilizar a quantidade de sódio presente em nossas células. Com esta retenção de líquido, nosso volume sanguíneo torna-se maior, e nosso coração precisa exercer mais força para que o volume sanguíneo alterado seja bombeado.
   
Com o tempo, esta pressão aumentada do sangue nas artérias  faz com que  os vasos reduzam sua contractilidade, ficando mais suscetíveis a lesões ou rompimentos ( no caso de derrames ou  AVC).
    
Uma atitude simples! Uma questão de treinar o paladar, pode salvar vidas! E sentir o sabor do tempeiro da comida (e não do sal rs) é uma ação que pode ser corrigida ainda na infância! Até porque a hipertensão tem sido observada cada vez mais cedo, não sendo mais uma exclusividade de pacientes adultos!
    
Um exemplo de atitude desnecessária, é no início da alimentação complementar, nós que temos um paladar diferente ao dos bebês, cometemos o erro de adicionar sal às sopas e papas, pensando em obter  resultados que os agrade mais... Não é necessário, pois os bebês vão começar a descobrir os sabores, e ainda não estão habituados ao sal! Então desde cedo precisamos treinar o paladar de nossos filhos a não precisarem desta substancia em excesso!
    
Ok, você pode até se perguntar sobre a importância do sal na alimentação como eu havia dito anteriormente, mas os bebês não precisam da mesma gramagem de sal que nós... Especialistas afirmam, que 1 g de sal já é suficiente para o organismo dos bebês  de até 12 meses de idade, e este mesmo 1g necessário já é obtido atraves do leite materno ou até mesmo de formulas lacteas!

Então vamos a algumas dicas que podem nos auxiliar no controle do sal:

- Utilizar uma quantidade maior de tempeiros naturais, como cebola, alho, salsa, coentro, orégano, sálvia, manjericão  e outras ervas aromáticas.
- Preparar as refeições com uma quantidade mínima de sal. (Para acostumar o paladar)
- abolir o saleiro da mesa!
- Verificar sempre a quantiadade de sódio presente em alimentos industrializados.
- Abolir a utilização de caldos  industrializados.
- Substituir o sal comum pelo sal de ervas, como o da receita abaixo, retirada do site Cantinho Vegetariano.

SAL DE ERVAS:

Ingredientes

1 xícara de sal grosso
1 colher (sopa) de alecrim
2 colheres (sopa) de tomilho


2 colheres (sopa) de orégano
1 colher (chá) de noz-moscada ralada na hora

Preparo



Coloque todos os ingredientes no liquidificador e bata até que todos os ingredientes fiquem misturados e mais finos. Conserve em um recipiente com tampa.

Dicas

- Dá para fazer com sal fino, sal marinho ou sal light.
- Você também pode variar as ervas que usar, assim terá sabores diferentes



Texto elaborado por: Keithe Allans Coutinho CRN3 -39275/P – Nutricionista do Instituto Infantil Cordeirinho. Agosto 2014.

Nenhum comentário

Voltar para o Topo